Relacionamento aberto

Como Propor um Relacionamento Aberto

Se você anda intrigado com a ideia de um relacionamento aberto, e gostaria de saber a opinião da sua parceira sobre o assunto, é importante você saber algumas dicas de como isso deve ser feito.

Para porpor um relacionamento aberto, é importante pensar cuidadosamente sobre como deve ser feita a abordagem antes de trazer o tema à tona. Veja neste artigo quatro etapas que podem ajudá-lo a se preparar para o grande momento.

Primeiro passo: Faça a lição de casa

Pesquisar na internet sobre assuntos como poliamor, relacionamentos abertos e swing, é uma boa maneira de ter mais conhecimento sobre o assunto.

Certifique-se que você entende as diferenças entre os vários tipos de relacionamentos abertos.

Veja algumas diferenças entre esses estilos.

1. Swing

Este pode ser o estilo que é um pouco mais fácil das pessoas aceitarem, mas claro que isso irá depender da personalidade de cada um.

Algumas pessoas são despertadas pela idéia do sexo casual, enquanto outros chegam a ficar revoltados com a idéia de saber que o seu parceiro quer ou está com outra pessoa.

Geralmente, a ideia de praticar o swing é de se divertir um pouco, mas não se apaixonar. Alguns swingers são super rígidos quanto essa regra para limitar a possibilidade das coisas ficarem muito sérias. Eles podem, por exemplo, limitar o número de vezes que se encontram com os seus parceiros sexuais casuais, para assim evitar o excesso de intimidade emocional.

Há muitas variações possíveis de swing: troca completa, troca parcial, mesma sala de sexo, sala diferente de sexo, swing juntos, e swing separado são algumas das variações se deve-se levar em consideração.

Começar pelo swing pode ser uma maneira de dar uma esquentada no relacionamento e abrindo as portas para a possibilidade de um relacionamento aberto.

Propor para a sua parceira uma visita a uma casa de swing, ou transar a 3, pode não ser exatamente a coisa mais fácil do mundo se vocês vivem em um relacionamento tradicional, porém é muito mais fácil que propor de cara que vocês passem a ter um relacionamento aberto.

Com o intuito de dar uma apimentada e sair da rotina, este pode ser o caminho mais curto, e que ela pode ir se acostumando aos poucos, sem ser um grande choque.

2. Poliamor

O poliamor trata-se principalmente sobre o amor. O ponto principal deste tipo de relacionamento é estar aberto à possibilidade de se apaixonar por outras pessoas.

Para algumas pessoas, esta é a forma mais assustadora de viver em um relacionamento aberto. Qualquer pessoa que considere viver o poliamor, deve tornar-se extremamente familiarizado com o conceito da Energia Nova do Relacionamento, que é o período quando a pessoa está começando a se apaixonar, de se sentir “nas nuvens”.

Esse sentimento que a paixão faz com que ocorra se dá devido à liberação de um hormônico chamado ocitocina, que além de promover as contrações musculares uterinas, estimular a liberação do leite materno e reduzir o sangramento durante o parto, também serve para desenvolver a simpatia e o apego entre as pessoas, por produzir parte do prazer do orgasmo, e também o medo do desconhecido.

Para a outra pessoa que o parceiro está experimentando a ENR (Energia do Relacionamento Novo em inglês), as coisas geralmente não são tão boas e prazerosas. No contexto da monogamia tradicional, o ENR conduz a ciúmes intensos e geralmente tende a destruir a relação.

No contexto do poliamor, as mesmas coisas podem acontecer, a não ser que as pessoas poliamorosas tenham feito a sua lição de casa e criaram planos e regrinhas para lidar com esta fase natural dos poli-relacionamentos.

A primeira vez que você mencionar a possibilidade de um relacionamento aberto para a sua parceira, ela provavelmente irá sentir uma sensação de pânico. Ela pode não conhecer o termo “energia do relacionamento novo”, mas você pode apostar que ela entende o conceito de uma maneira mais intuitiva, e é este entendimento intuitivo que pode causar o pânico inicial.

Para a maioria das pessoas, não é uma boa ideia sair direto da monogamia para uma análise séria do poliamor, já que há uma enorme diferença entre esses dois pensamentos e estilos de vida. Por isso mesmo você quer propor o poliamor, então considere outras opções inicialmente, ou seja, comece por algo mais fácil.

Segundo passo: Cuidadosamente descubra como a sua parceira se sente a respeito do relacionamento aberto

É melhor você não fazer a pergunta do nada. Comece a pesquisar e a observar as opiniões da sua parceira a respeito do assunto. Encontre uma maneira de introduzir o tema, numa conversa casual (mesmo que você já tenha, de fato, feito uma pesquisa a respeito).

Por exemplo, você pode assistir a um filme ou programa de TV em que as pessoas têm um relacionamento aberto, e depois use esses filmes ou programas para começar a debater o assunto.

A melhor maneira é encontrar alguma forma natural de aliviar a tensão em uma conversa sobre isso, para que você possa ter uma noção das reações da sua parceira antes de iniciar a conversa mais direta, e acabar propondo.

Terceiro passo: Tenha certeza que é isso o que quer

É extremamente importante que você consiga abrir a sua mente para uma reflexão pessoal e sincera antes de querer entrar em um relacionamento aberto. Se você tomar suas decisões sobre esta questão com base principalmente em seus próprios desejos egoístas e impulsivos, então as coisas podem acabar se saindo mal.

É importante pensar profundamente e com seriedade na sua parceira e no seu bem-estar. Precisará entender como isso vai afetar não só a si mesmo, mas também a ela.

Você deve estar pronto para algumas decepções e para as várias fontes de tensão que poderão surgir. Viver em um relacionamento aberto geralmente não é tão simples como alguém poderia desejar.

Sua parceira pode chamar muito mais a atenção dos homens do que você das outras mulheres, ou vice-versa, então é importante levar isso em consideração na hora de optar por este estilo de vida.

Em um relacionamento aberto, é muito importante que ambas as partes do casal se respeitem e fiquem felizes com a felicidade do seu parceiro ao sair com outra pessoa, o que para muitas pessoas é algo extremamente difícil, para não dizer impossível.

Quarto passo: Faça a proposta

Uma vez que você preparou o terreno direitinho, é hora de começar a ter a conversa de maneira mais séria.

Pense no que você descobriu nas etapas de 1 a 3 e use neste momento. Não seja agressivo. Não espere uma resposta positiva imediatamente.

Se a sua parceira nunca considerou isso seriamente, pode levar semanas, meses ou até anos para a ideia de se tornar algo confortável. Cada pessoa e relacionamento é diferente, por isso não há como passar uma fórmula matematicamente precisa de quais as melhores palavras a serem usadas na hora da abordagem. Uma dica é que você esteja preparado para discutir uma variedade de questões práticas, éticas e espirituais relacionadas à sua proposta, porém não levante a voz nem brigue com ela por causa disso.

Se a sua parceira reage com ceticismo ou raiva, não empurre o problema para baixo do tapete. Você pode oferecer algumas respostas a questões levantadas, mas tente manter as coisas em um nível hipotético. Em outras palavras, pensar em termos de “se tivéssemos de fazer isso, como faríamos?” e não “devemos fazer isso, você está sendo teimosa em não concordar.”

Nunca entre em um estado de espírito em que você sente que precisa provar algo ou converter a sua parceira a pensar do mesmo modo que você.

Será necessário ter paciência e muito amor e compreensão para propor um relacionamento aberto e esperar uma resposta positiva.

Em que momento surgiu em sua cabeça a ideia ou a vontade de ter um relacionamento aberto com a sua parceira? Por qual motivo esse sentimento apareceu? Comente abaixo!

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (2 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...


Um comentário

  1. ADORARIA MUITO QUE TIVESEMOS UM RELACIONAMENTO ABERTO, MAS QUERIA QUE FOSE SÓ COM ELA, QUERO MACHOS PRA FUDER ELA NA MINHA FRENTE…

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*