Casal conversando

As Mulheres se Apaixonam Mais Fácil Por Homens Que são Bons Contadores de Histórias

Pesquisas já comprovaram que a narrativa tem o poder de mudar as mentes e tem influências comportamentais, além do mais, contar histórias é uma forma de comunicação.

Por exemplo, as narrativas pessoais são frequentemente utilizadas em campanhas publicitárias de saúde, e isso fez com que aumentasse o número de pessoas que vão fazer exames de câncer. Inclusive, até mesmo os romances têm causado uma mudança social, como por exemplo o livro de ficção “The Jungle” do autor Upton Sinclair, que fez com que houvesse reformas na indústria de carnes dos Estados Unidos.

Porém, vários especialistas em persuasão narrativa e psicólogos andam se perguntando como as histórias podem influenciar o curso de um relacionamento amoroso.

Foram conduzidos três estudos para determinar se a capacidade de contar histórias era vantajosa para atrair parceiros a curto prazo ou se era vantajosa para atrair parceiros a longo prazo, e descobriu-se que ser capaz de contar uma história muito bem é algo que realmente importa, especialmente para um dos gêneros.

Comandando uma multidão

No primeiros dos três estudos realizados, foi pedido para que estudantes universitários avaliassem um parceiro romântico em potencial ao olhar uma foto do indivíduo do sexo oposto. Eles também receberam informações a respeito da capacidade da pessoa de contar uma história, juntamente com uma breve biografia neutra, como a sua cidade natal e se ele ou ela gostava de espaguete.

Havia quatro grupos de participantes, e eles recebiam a informação de que se a pessoa da foto era uma boa contadora de histórias, moderada ou não era muito boa em contar histórias. Já aqueles que estavam na condição de controle não recebiam nenhuma informação a respeito da capacidade de contar histórias.

Por exemplo, quem estava na condição de “bom contador de história”, os participantes liam “frequentemente conta boas histórias em festas, em parte devido a uma grande variedade de escolhas de palavras.”

Após ler essas descrições, os participantes classificavam o quão atrativa a pessoa era fisicamente, assim como quão atrativa a pessoa parecia ser para um encontro, um relacionamento de longo prazo ou para serem amigos.

E foi descoberto que os homens que são bons contadores de história parecem ter uma vantagem na hora de atrair parceiras a longo prazo, e no oposto, as mulheres que foram descritas como boas contadoras de histórias não eram tão apreciadas pelos homens, e os homens que contavam boas histórias não eram muito apreciados no caso de relacionamentos a curto prazo.

Já no segundo estudo, os participantes receberam uma história real que teria sido contada pelo seu parceiro em potencial, e metade dos participantes leram uma história que realmente foi dita, e a outra metade recebeu uma história qualquer.

Foi usado um texto escrito em uma página de humor em que um pai que brinca em um balanço com seus dois filhos, escrito com linguagem informal, no estilo de uma conversa coloquial.

Em comparação com as boas histórias, a história ruim que usava um vocabulário pouco criativo, com detalhes irrelevantes e com perguntas no meio do texto como por exemplo “Ah, espere, foi assim mesmo que isso aconteceu? É…acho que foi.”

O mesmo padrão de resultados surgiu: as mulheres classificaram os homens bons contadores de histórias como mais atrativos para um relacionamento a longo prazo em relação àqueles que não contavam histórias muito bem, e já no caso dos homens, não importava se a mulher era boa ou ruim contando histórias.

O que os pesquisadores queriam era entender melhor por que essa diferença de gênero existe, e por isso realizaram um terceiro estudo, que foi semelhante ao primeiro, porém incluía questões relacionadas ao status social.

Itens incluídos: “Até que ponto você acha que essa pessoa seria: popular, admirada, um bom líder e ser uma inspiração para os outros se sobressaírem?”

Mais uma vez, quando se tratava de um potencial parceiro para um namoro a longo prazo, as mulheres achavam os bons contadores de histórias mais atraentes do que os que não eram tão bons, e a capacidade de contar histórias das mulheres novamente não causou efeito sobre os participantes do sexo masculino.

É importante ressaltar que as mulheres achavam que os homens que eram bons contadores de histórias tinha um status social mais alto, era mais provável que eles fossem um líder ou admirados.

Explicações evolutivas

As diferenças de gênero no caso desses resultados podem ser interpretadas em relação à evolução das abordagens para entender a seleção do companheiro.

Várias teorias desta área têm destacado as diferentes preocupações evolutivas dos homens contra a das mulheres na hora de passar seus genes adiante. Quando se trata de reprodução, de acordo com a teoria, os homens são mais propensos a “investir amplamente”, enquanto as mulheres tendem a “investir sabiamente.”

Especificamente, quando se trata de ter filhos, o homem pode fornecer um investimento parental mínimo ( mesmo quando isso acontece em um único encontro sexual). Já o investimento das mulheres inclui todos os meses da gravidez e enormes cuidados durante a infância.

De acordo com essa crença, os homens podem se esforçar mais com as relações sexuais ou relacionamentos de curto prazo, focando apenas na felicidade, prazer, idade e atração física, enquanto as mulheres tentam identificar um companheiro que poderá fornecer recursos para qualquer descendência.

Dado que as mulheres tendem a valorizar um “bom pai” ou que possa fornecer um relacionamento a longo prazo, os resultados dessa pesquisa sugerem que a habilidade de contar histórias do sexo masculino pode fazer com que as mulheres acreditem que ele pode ter um maior status social, que tenha poder.

Os pesquisadores ainda não testaram se os bons contadores de histórias são realmente capazes de atingir posições superiores de status social ou liderança.

Tomando minimamente como base o terceiro estudo, é mais provável que quem consiga comandar uma multidão com uma boa história poderá atingir um nível mais elevado de status social.

Teóricos da evolução tentaram explicar a função narrativa em grupos sociais, e como isso pode estar amarrado com o status.

Por exemplo, de acordo com as “hipóteses das histórias como ferramentas explicativas”, nas sociedades antigas, aqueles que eram mais capazes de explicar (o que era considerado) fenômenos sobrenaturais poderiam subir às posições de poder.

Outra teoria afirma que os seres humanos ganharam significativos benefícios de sobrevivência através da sua capacidade de pensar de forma flexível, e que contar histórias é uma forma de jogo cognitivo, e desta maneira, pode treinar a mente das pessoas.

Mas acima de tudo, foi concluído que sim, as histórias importam: Não apenas para o entretenimento, ou para aprender sobre o mundo, mas para construir relacionamentos.

A chispa da atração física pode ser a única coisa necessária para um primeiro encontro bem sucedido, mas no caso de relacionamentos a longo prazo, as pessoas costumam procurar algo mais, e para alguns, uma história envolvente que possa durar horas ou uma emocionante que trás o passado de alguém ao presente, pode conduzir ao amor.

RECOMENDADOS PARA VOCÊ

Você se considera um bom contador de história? Acredita que isso pode te ajudar a conquistar mais mulheres? Comente abaixo!

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*