5 Coisas que Você Não Sabia Sobre as Strippers

Se a prostituição é a profissão mais antiga do mundo, ser stripper pode muito bem ser a segunda mais antiga – tudo depende de quando exatamente os primeiros seres humanos decidiram que as pessoas não deveriam andar por aí com suas partes mais atraentes livres e soltas recebendo a carícia do vento.

informacoes chocantes

Assim que usar roupas se tornou uma norma, tirá-las se tornou um show rentável para aquelas pessoas que o soubessem fazer isso de maneira bem feita.

Mas, apesar do legado venerável desta carreira, e a onipresença absoluta de clubes de stripper em nossas paisagens urbanas modernas, muitos sabem muito pouco sobre a realidade das pessoas que ganham a vida tirando suas roupas e dançando nuas.

Por isso, foi feito uma pesquisa com strippers nos Estados Unidos, sendo seis mulheres: Emily, Laura, Zoey, Layne, Helen, Meredith; e um homem, chamado Salvatore, para saber o que realmente acontece na vida deles que provavelmente as outras pessoas não sabiam.

5. Os clientes podem ser perigosos

Como resumiu uma das dançarinas, Emily:

onquistas mulheres nota 10

“Eu tive caras que enfiavam os dedos nas minhas partes íntimas sem eu querer, que colocavam seus pênis para fora ou arrancavam suas calças. Estamos preparados para lidar com isso, mas fica uma merda quando eles decidem que não têm que pagar porque você não está fazendo o que eles querem que você faça. Eu sei de meninas que foram empurradas e com suas cabeças forçadas até os pênis dos caras, para que elas os chupassem.”

Sim, há algo sobre as mulheres que estão dispostas a mostrarem seus corpos sem vergonha que enfurece um tipo muito específico de pessoa terrível.

É como se eles não suportassem a ideia do stripper reter qualquer tipo de poder em tudo. “Se eu estou pagando para ver o corpo dela, eu deveria ter um acesso total, independentemente do que ela diz.”

É só uma minoria dos clientes, mas você interage com vários, isso significa que as mulheres que trabalham em clubes de stripper serão assaltadas em algum momento de suas carreiras. E estudos mostraram que isso acontece em 100% dos casos.

E de acordo a essas pesquisas, 61% dos strippers relatam que já tiveram alguém tentando penetrá-las com o dedo, 82% foram agredidas fisicamente, e 56% relataram que já tiveram um maldito cliente que as seguiram até as suas casas pelo menos uma vez.

Depois, há os clientes não-violentos que se tornam loucos na hora de dar a gorjeta. A dançarina Zoey contou que tinha um cliente que deu como gorjeta um pacote de meias. Outro cara ia sempre ao clube com o carro cheio de calcinhas e sutiãs no melhor estilo “vovó” e tentava dar para as meninas.

aprenda preliminares - video

Se a sua reação a tudo isso foi: “Sim, os homens com certeza são terríveis!”, saiba que os clientes do sexo feminino podem ser igualmente ruins, e às vezes pior.

Zoey e Layne ambas relataram que as mulheres são as clientes mais prováveis de dar aquela “apalpadinha”.

4. Este trabalho pode acabar com seu corpo de diversas maneiras

Como contou Meredith:

“O fato de estar em pé por cerca de seis a dez horas, basicamente fazendo agachamentos usando saltos altos, irá acabar com o seu corpo. Meus joelhos estalam quando eu ajoelho. É exercício de alto impacto e você está fazendo isso usando os saltos.”

onquistas mulheres nota 10

E lembre-se, stripper é o tipo de trabalho que realmente acaba com o seu “dia de folga”. A maioria de nós que não somos médicos ou agentes das Forças Especiais temos a opção de descansar durante um ou dois dias da semana. Às vezes você está com um humor horrível, ou simplesmente triste com alguma coisa, e isso pode acontecer de vez em quando na maioria dos postos de trabalho sem interferir no seu salário. Não é assim para quem trabalha como stripper – que são pagos por darem toda a atenção para o cliente com um lindo sorriso no rosto.

Emily contou: “Seu cachorro morreu? Boa sorte pagando suas contas. Ou um exemplo que aconteceu comigo, sua amiga morreu com câncer? Muito triste, a fatura do seu aluguel está chegando. É por isso que há um monte de pessoas que abusam das bebidas alcoólicas ou drogas nesta indústria. Ser capaz de atuar é algo importante neste trabalho”.

Falando nisso, adivinha o que mais strippers têm que aguentar durante sua jornada de trabalho? Ficar em torno de várias pessoas bêbadas e/ou drogadas, e fazer com que todos os envolvidos se sintam como se fossem parte da celebração.

Então, boa sorte, se você é do tipo que tem um problema com isso.

“Eu bebo todas as noites no clube … é uma grande parte do trabalho”, diz Emily. “Se algum stripper não bebe, pode afetar o seu ganho financeiro, já que muitos homens querem que a mulher beba com eles, como se estivessem em um encontro. Caso você realmente não beba, existem bares especiais que não servem bebidas alcoólicas.”

Mas esse pedido “sem álcool” não é tão comum como os fígados dos strippers provavelmente prefeririam.

Um estudo relatou que 100% das mulheres que trabalham em clubes de stripper relatam beber durante o turno de trabalho. Metade dessas mulheres relataram o uso de “outras substâncias”, uma expressão que aqui se aplica tanto para “fumar um pouco de maconha” e usar crack.

Salvatore – o dançarino masculino – disse: “… a maior parte do tempo em que eu estava trabalhando, era geralmente sob a influência de algum tipo de droga recreativa … Junte isso com o fato de que você pode ter alguns problemas com sua autoestima, e que você queira terminar o seu trabalho o mais rápido possível, porque às vezes está desgostoso com o que faz”.

E isso é um ponto – não importa quão positivo os dançarinos possam estar em relação ao seu trabalho (e nós vamos chegar a isso em um momento), a sociedade age inegavelmente como se os strippers devessem sair de seus trabalhos todas as noites com os rostos cobertos de vergonha.

Salvatore disse que toda mulher que ia ao seu trabalho achava que ele era um viciado em drogas, alguém com problemas mentais, ou alguém que fez algumas “más escolhas na vida” para chegar onde ele estava (ou como ele disse, pensei que ele era “… um babaca total” ).

3. Não é uma área cheia de gente desesperada e falida

Todos os itens acima parecem confirmar o que a sociedade diz sobre strippers (e todo o trabalho relacionado ao sexo, na verdade): que é uma última parada desesperadora para pessoas falidas – a maioria mulheres – sem outras opções.

Mas um sentimento consistente entre os dançarinos entrevistados foi a de que ele é realmente um bom negócio, considerando todas as coisas. E em geral, strippers relatam uma satisfação extraordinariamente elevada em relação ao seu trabalho sempre que alguém pergunta.

Um estudo realizado na Grã-Bretanha mostrou que a maioria das mulheres que trabalham nesta indústria estão felizes como o seu trabalho, e levam para casa cerca de U$ 74.500 (dólares) por ano, cerca de mais de 212 mil reais por tirar a roupa.

E alguns pesquisadores realizaram pesquisas em salas de bate-papo online onde strippers se reúnem, e descobriram que as motivações não-monetárias foram discutidas quase quatro vezes mais do que as monetárias. O que significa que eles fizeram isso por outros motivos, e não por estarem morrendo de fome.

Por exemplo, nenhum estereótipo sobre as mulheres que optam por tirar suas roupas por dinheiro é mais prevalente do que “você deve ter problemas com seus pais.”

A stripper Meredith disse: “Trauma nenhum me levou a fazer stripper… Foi a falta de trauma. Você tem que ter autoconfiança para fazer este trabalho. Pessoas que foram abusadas não suportam muito bem a ideia de serem sexualizadas. Geralmente é algo que você tem que te faz ser bom neste trabalho. Não algo que você não tem.”

Mais uma vez, é claro que alguém deste meio pode ser obrigado a mentir sobre isso, a fim de fazer com que seu trabalho pareça melhor do que é. Mas parece que a Ciência apoia o que disse Meredith: um estudo descobriu que 66% dos stripper foram criados por suas mães e seus pais (apenas um pouco menos do que a população em geral), 91% relataram ser próximos aos seus pais e 78% relataram nenhuma exposição a nudez ou pornografia como filhos de qualquer natureza.

Sem dúvida você pode encontrar muitas histórias de strippers que estavam, de fato, fugindo ou desistindo de encontrar outro emprego, ou mulheres com baixa autoestima que achavam que não tinham mais nada para oferecer ao mundo.

Alguns podem até se surpreender ao falar com alguém que não se encaixa nesse perfil, mas esse tipo de profissionais levantam um bom ponto sobre por que a nossa sociedade considera os trabalhos relacionados ao sexo algo tão baixo e repugnante que fazê-lo é automaticamente considerado uma tragédia.

2. Para muitos clientes, é uma forma de terapia

Você pode estar pensando: “Ei, eu sou uma pessoa atraente. Eu aposto que poderia ganhar muito dinheiro se estivesse disposto a fazer esse tipo de trabalho. Como pode ser tão difícil tirar a roupa e ficar girando?” É exatamente isso que Laura pensou quando ela começou a trabalhar como dançarina em um bar. Porém não foi bem assim:

“… Na minha primeira noite, eu ganhei cerca de 28 dólares. Foi desanimador. Fiquei tão chocada. Eu tinha conseguido aquele emprego, e fiquei tão animada que nem prestei atenção nas outras meninas… Você tem que aprender a arte do flerte, e se equilibrar entre ser direta, aprendendo a perceber quando não há problema em fazer rodeios, e quando você deve ser direta “.

Em outras palavras, uma habilidade chave é aprender a simplesmente sair com os clientes e fazê-los se sentirem confortáveis.

Apesar de tudo o que você escutou a respeito de que os homens adoram os corpos gostosos das strippers, a maioria deles vão até o clube por muito mais do que apenas peitos enormes.

Muitos deles sentem a falta, ou nunca tiveram uma mulher em suas vidas, e por qualquer motivo ou razão, este é o único lugar em que eles podem obter algo um pouco parecido.

Emily conta: “Um monte de caras só querem que você converse com eles, cuide deles. Várias vezes eu passo por garotas que estão sentadas com a cabeça dos homens em seus colos apenas cochilando ou pensando, descansando… eu dancei para um cara que trabalhava para a máfia … ele era um cara estranho, mas agradável. Sua esposa costumava deitar em cima dele quando ele caía no sono. Então, sempre que ela estava longe, viajando, ele me procurava, pedia um quarto, e me pagava para deitar em cima dele para que ele pudesse dormir, já que essa era a única maneira que ele conseguia.”

Essa é uma história adorável. Mas quando a vulnerabilidade entra em cena, as coisas nem sempre vão tão bem:

Laura: “Eu tive um cliente drogado, viciado em cocaína, que tive que fazer um discurso particular. Ele foi um cara super legal, até que após três horas de trabalho eu pedi meu dinheiro. Demorou cerca de duas horas para eu e o bartender convencermos ele de me pagar.”

Além disso, este é um trabalho intimista – e não estamos falando de uma forma física. Quando você é um profissional do sexo, às vezes tem de estar presente nos momentos cruciais da vida erótica de seus clientes. Emily conta essa história:

“Eu estava no palco e um casal veio – de estilo conservador, meia-idade, que pareciam extremamente desconfortáveis. Claramente nunca estiveram em um clube como esse antes, e ficaram timidamente olhando para o palco, e quando eu saí, esse cara veio e desajeitadamente disse: ‘Me desculpe por incomodá-la senhorita, mas a minha esposa e eu – estamos casados há 20 e tantos anos, só soube agora que ela gosta de mulheres e ela disse que você é a menina com que ela sempre sonhou. Você dançaria com ela?

“Ela estava tão animada -. Ele observava, ela estava nervosa e tremendo. Eu disse a ela para relaxar e em um certo momento ela me perguntou, ‘. Posso tocar seus seios?” “Para você? Sim!”

“Na segunda música, ela estava realmente entrando no clima. Eles ficaram bem excitados. Em seguida, eles foram uns sobre os outros, até ao final da dança. Mãos em todas as partes do corpo, embaixo das calças, até que saíram correndo o mais rápido que conseguiram até a porta de saída. Este casal havia acabado de descobrir algo novo sobre eles mesmos.”

Se parece estranho que o casal estava participando junto, bem, há algumas evidências de que os clubes de stripper realmente ajudam a melhorar os casamentos.

Uma antropóloga que passou seis anos trabalhando como stripper para um estudo concluiu que muitos homens usavam seus serviços porque visitar um clube de stripper não era visto como um “bom” comportamento por suas esposas, porém não era “ruim” o suficiente para colocá-los em apuros.

Isto fez com que eles se sentissem com uma certa “permissão” para caminhar do lado selvagem sem arriscar seus casamentos – foi uma oportunidade de tirá-los dos seus sistemas – rotinas, sem ter um caso.

1. Eles podem se assustar na hora de pagar – mais do que em qualquer outro emprego

Você sabia que a maioria das strippers pagam para ter o privilégio de trabalhar? Como disse Meredith “A maioria dos clubes cobram uma taxa entre US $ 50, US $ 150 ou US $ 200 – cerca de R$140,00, R$430,00 ou R$570,00 – dependendo do lugar e de que horas você irá fazer o seu turno. Então, se você é lento, e não faz muita coisa, você pode perder dinheiro.” Emily disse que: “Uma noite, você ganha muito dinheiro, e na seguinte faz menos de U$ 100. Depende de um monte de coisas – época do ano, clube, etc. Em dezembro e janeiro, perdi dinheiro por várias noites consecutivas.”

Isso parece estranho, certo? Se você trabalha em uma lanchonete, ou concertando carros em uma mecânica, não corre o risco de ter que perder U$50 em um dia de trabalho.

A razão pela qual strippers devem pagar para trabalhar – e a principal fonte de injustiça na indústria das pessoas que dançam peladas – é o fato de que na maioria das vezes strippers são trabalhadores independentes, o que significa que não há nenhuma garantia de pagamento e também não há cobertura para danos corporais ou de saúde sofridos durante o trabalho.

Muitas pessoas trabalham de maneira independente ou como são chamadas, freelancer, no Brasil, Estados Unidos ou em todo mundo, porém as strippers estão em uma verdadeira zona cinzenta.

Você se surpreendeu com algum destes pontos listados acima sobre a vida de strippers? Já foi a algum clube de strippers? Como foi sua experiência lá? Comente abaixo!

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (2 votos, média 5,00 de 5)
Loading...
aumente 300 porcento

Um comentário

  1. André Barroso

    Algumas são maravilhosas. São mulheres como todas as outras, sensíveis e carinhosas. Em 2001, tive um caso com uma linda stripper chamada Mônica Castelo Branco, que conheci numa casa noturna de Belém. Assisti o show dela e depois a procurei, propondo-lhe um final de semana comigo em minha casa de praia, e ela topou. Foram 3 dias maravilhosos, quase uma lua de mel. Paguei 2 mil reais pelo pacote completo, depois ela foi embora pro sul e nunca mais tive notícias dela. Deve estar com 43 anos e com certeza ainda é linda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *